Feminismos e experiências de transgressão do/no gênero:

indícios e relatos de si de Duda Salabert no Instagram

Autores

Palavras-chave:

Feminismos, Experiência, Transgressão, Gênero, Duda Salabert

Resumo

Esse texto se propõe a compreender como feminismos se instituem e se atualizam mediante gestos educacionais pautados por experiências estéticas de transgressão do/no gênero, uma vez provocadoras de emergências demandantes de novas aprendizagens sociais. Para isso, lança mão das noções teóricas de estética (DEWEY, 1980), gênero/feminismos (BUTLER, 2003; 2018; 2019; PRECIADO, 2009) e transgressão (HOOKS, 2013). Como metodologia, busca combinar procedimentos baseados em indícios (BRAGA, 2008) com a proposta de relato de si (BUTLER, 2015), para construir uma análise comunicacional da mulher e educadora Duda Salabert, em sua conta pública na rede social Instagram. Como resultados, o texto problematiza o estatuto de atualização do próprio feminismo como uma experiência do/no gênero pautada pela transgressão, a partir da investigação de experiências transfeministas de Duda Salabert, tanto em seu próprio aparecer como mulher, quanto em seu aparecer junto a contextos ligados à educação.

Biografia do Autor

Tábatha Valentim, Universidade Federal de Viçosa

Jornalista, Graduada em Comunicação Social, Mestra em Educação pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) e pesquisadora em Estudos de Gênero pelo Diz - Grupo de Pesquisa em Discursos e Estéticas da Diferença, também da UFV. Atua, além da pesquisa, na área de terapias integrativas como professora de Yoga e terapeuta reikiana.

Rennan Mafra, Universidade Federal de Viçosa

Professor do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e credenciado nos Programas de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UFV e em Comunicação (PPGCOM) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Doutor, mestre e graduado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com pós-doutorado em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Co-líder do Diz – Grupo de Pesquisa em Discursos e Estéticas da Diferença. Investiga experiências públicas de sujeitxs, coletivos e organizações nas mídias contemporâneas em torno das noções de estética, tempo e diferença.

Downloads

Publicado

2022-01-02

Edição

Seção

Artigos